Os que Sonham...

domingo, 28 de agosto de 2011

Sentença


Entre o sim e o não, há o infinito. E na certeza do ser, há o abismo entre o ter e o não ter.
Há o gosto amargo do querer e não poder.
Do pecado proibido, queremos sempre a doce emoção, mas amargamos o fel de uma grande ilusão.
Noite à dentro, desejos. Beijos ardentes, mãos atrevidas, coração quente e alma vazia.
A Lua, Deusa das paixões proibidas, despede-se e o dia vem...
Caem às máscaras, e a rotina disfarça o amor de ontem, mas não apagam as digitais que queimam a pele. Não cicatrizam as feridas de uma traição.
Nada mais que uma busca insana de viver um falso amor. Tentativas frustradas de momentos de felicidade que se dissipam ao raiar do dia. O que mais podemos esperar de algo que começa com mentiras e falsas promessas?
A sentença é a solidão.
Projeto Suas Palvras
Postar um comentário