Os que Sonham...

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Devaneios




São dias cinzas como hoje que penso nas palavras que não dissemos.
Lembro – me dos teus olhos nos meus quando nos conhecemos, eram os mesmos sentimentos que nos unia, ou a falta deles. Carência, necessidade de amar e sermos amados na mesma intensidade.
E então nos teus braços eu descobri o amor. Você me doía, o teu toque me ardia e o simples fato de ouvir a tua voz, iluminava a vida, que vista de teus olhos azuis devia ser linda. E a forma que eu a via dependia de você, pois você era a minha vida.
Mas tudo acabou.
Não sei onde nos perdemos, não sei onde te perdi.
Teus olhos já não brilhavam mais para mim e tua boca já não era só minha. E o amor? Ah, o amor... Este, eu nem sei se você sentiu por mim.
Talvez eu tivesse fantasiado tudo.
Hoje, aqui perdida em meus devaneios, enquanto caminho por entre folhas tão amareladas como as lembranças do nosso passado, fico a relembrar as palavras ditas por você, das promessas não cumpridas. Relembro as noites em claro pensando onde eu teria falhado.
Hoje eu vejo que as falhas não foram somente minhas, mas tuas também.
Mais isto não importa mais, o tempo passou e os sentimentos foram se perdendo pelo caminho, levados ao vento como as folhas.
Mas só eu sei o quanto sofri. Conheci todos os sintomas do amor, ou melhor, da falta do teu amor. Tive pesadelos, oscilações de temperatura, um oco no peito que parecia não haver mais nada lá dentro e só de pensar em você as lágrimas teimavam em cair.
E eu, sempre tentando disfarçá-las com um sorriso, ou com a desculpa de que havia caído um “cisco no olho”.
Hoje eu consigo falar de você sem que me venha lágrimas nos olhos. E já não sinto aquele peso no coração.
Eu aprendi às duras penas que existem várias formas de amar, e cada pessoa tem um jeito próprio de demonstrá-lo. E isso é preciso respeitar.
Eu não poderei nunca te maldizer por nossa relação não ter dado certo, porque na verdade deu sim. Deu certo enquanto durou. Tivemos momentos inesquecíveis e foi uma experiência e tanto para mim.
Você, amei com loucura, até um amor doentio, eu diria. Mas hoje eu amo com tranquilidade.
Talvez eu tenha aprendido a amar.
Aprendi também que aquele ditado que diz “Um grande amor só se cura com outro”, é muito verdadeiro. E que se hoje eu sofrer decepções, manterei meu coração aberto.
E novos amores virão.
Postar um comentário